domingo, 12 de fevereiro de 2006

desconheço a autoria da ilustração


a alma explode

[já é tarde, o sol diluindo-se em estrelas]

estilhaços de ti naquilo que fica

[diz-me como sorrir, eu preciso]

a solidão revisitada

[sob o céu, sangra o espantalho]

7 comentários:

TMara disse...

k belo diálogo a duas vozes, sendo afinal a do mm ser. Bom domingo, cheio de sorrisos e paz

Anônimo disse...

Sangra o espantalho? Ao menos és humano para possuir sangue? nao creio nisso...

Pseuda Bia

Celso disse...

gosto muito dessqa forma de poetar, em vozes. Feita aqui com mestria.

Saudações

hfm disse...

Tb gostei de te ler aqui.

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Oi!


Passando por aqui...

Muito bom!


*CC*

Anônimo disse...

Pobre espantalho,
Guardas vida e morte no âmago
Quem há de salvar-te?
Tuas sombras ou teus sonhos?

bell disse...

meu doce espantalho...
voceê não precisa que alguém te diga como sorrir.....
apenas se encontre me ti msm...
creia-me, isso é capaz...
se descubra...
(assim como tb estou fazendo..)

bjs*