domingo, 5 de fevereiro de 2006


As letras que me habitam de você têm vida.

As letras que me invadem de você têm cores.

As letras que me afastam de você têm esqueleto.

As letras que me transbordam de você têm girassóis.


Minhas letras miúdas feitas de chuva.

Quando tocam o jardim,

horizonte.

Quando lambem o mar,

sussurro.

Quando desnudam o tempo,

eternidade.


Minhas letras silentes feitas de sombras.

Nas fotos espalhadas pela cama,

memórias.

Nos batimentos incontidos do coração,

sonhos.

Nas brincadeiras no meio da rua,

encantamento.

Nos teus loucos olhos castanhos,
amor.

8 comentários:

Celso disse...

esplêndido douglas!! nem mais uma palavra.

saudações

topazio2004 disse...

...de encantar...
beijinho encantado
teresa

Valéria disse...

as letras têm a cor que a gente pinta...
um beijo com saudades

bell disse...

douglas,
nao vou escrever letras...apenas...
perfeito.
parabens...

te beijo*

Adryka disse...

Lindo adorei a sequencia das palavras, tá giro. beijinhos

TMara disse...

mtº fuido. Bom f.s, bjs e;)

marcia cardeal disse...

fiquei sem fala. que lindo isso!
beijos.

Saramar disse...

Douglas, há dias venho lendo seus maravilhosos poemas.
São gotas de lus, são radiosos.
São gotas de amor, orvalhando cada palavra.
Marvilhosos. FIquei absolutamente encantada.

Beijos