segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

à minha mãe. saudade...

seus olhos, pode abri-los agora. já não há mais dor e o medo ficou trancado no baú de maldades daquela velha bruxa que tanto lhe assombrava as noites. ela agora se foi junto à doença que se apossou de mim por anos a fio, tornando a vida um aglomerado de amanheceres descascados qual céu banguela de nuvens. não, não chore! foi só um pesadelo. o seu irmão dorme na cama ao lado e o seu pai está a roncar lá no outro quarto. não há o que temer, eles amam você e não lhe deixarão sozinho. se eu contar uma estória, você abre os olhos e depois volta a dormir? quando eu era pequena, aprendi com a sua avó que todas às vezes que a noite quer nos roubar a esperança, pirilampos iluminam o céu e viram estrelas cadentes que realizam nossos desejos, bastando pra isso jamais desistirmos de sonhar. abra os olhos, filhinho. eu estou aqui, a lhe abraçar. abra os olhos: nada nos afastará, eu juro. estarei ao seu lado, mesmo que você só possa me sentir como quem sente um olhar já vivido acarinhando a lonjura da alma. não há o que temer. a morte vem e passa, como também passam a tristeza e a dor. só a felicidade quer eternidade. e hoje ela está aqui, conosco, pra que eu te embale no colo e te faça ninar.

11 comentários:

ediney disse...

esse texto me deu uma saudade danada de tudo que foi e de tudo que quero que venha

Sol disse...

Um beijo suave e quente no meio da testa.

czarina disse...

quase um suspiro

marianna disse...

cacete, que lindo!!
gosto das tuas dores,
elas te fazem sonhar
e nos levam junto.

Maya disse...

nossa, que lindo! me senti embalada num colo.

bell disse...

como está meu querido espantalho?

bell disse...

sabe, minha mãe nunca me embalou em seus braços....

sorte a tua, meu amigo.

Érika disse...

Adoro este teu blog.

Maria disse...

nossa, fui ler os comentários da procissão do Edu e caí aqui. Que coisa mais harmônica... tão bom de se ver, adorei. Com calma vou ler as palavras depois. Não pude deixar de comentar a sensação...visual, por hora.

Érika disse...

Coloquei-o num post: chama-se "Presentes".

Claudia Perotti disse...

Uauuuuu
Nem sei descrever oq senti ao te ler.
Escreves muito bem!

Beijinhosssss