segunda-feira, 4 de agosto de 2008


(pra mari)

eis a madrugada
parindo os primeiros raios de sol
num ritual de cores que não se repetem
você brigaria comigo se soubesse que ainda
não fui dormir

faço silêncio
pra não te acordar enquanto escrevo
poesia aos pedaços nas páginas dum velho
caderno que inventei na infância ao descobrir
que sonharia você


imagem de redon

3 comentários:

tb disse...

Em cada registo que te leio difícil saber qual gosto mais.
jinhos

Diego Viana disse...

É, meu caro, é o destino do poeta...

Gi disse...

É bom descobrir o rosto daqueles com quem sonhamos desde o início dos tempos.