terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

imagem de dubuffet
ao espantalho que habita o meu peito.


chove na plantação
gotas que relampejam estrelas cansadas do céu
das nuvens às folhas e das folhas ao chão e do chão às raízes
o som das gotas embala o coração do espantalho
fazendo brotar girassóis noturnos
aos quais chamava
esperança

5 comentários:

Sol disse...

Mesmo a tantos distantes, mesmo conhecendo-o quando o “Espantalho” vivia adormecido em alguma esquina escura, este codinome soou como o canto dos corvos no milharal.

Ana disse...

te falo com conhecimento de causa: às vezes, as estrelas se cansam mesmo do céu.e ficam cadentes.

bisou

diovvani mendonça disse...

"o som das gotas embala o coração do espantalho"

Isso é mesmo, de fazer brotar poéticos girassóis por toda parte.

AbraçoDasMinas.

Alequites disse...

Gostei muito do seu cantinho.
Voltarei mais vezes.
Beijos!

tb disse...

porque a esperança não morre...