sábado, 25 de março de 2006

paul lacroix



UM SOPRO, CINCO TEMPOS DISTINTOS.

O TEMPO DA RETICÊNCIA
Queria te dizer
Que o mundo é todo teu
E os erros são meus
Todos.

*

O TEMPO ESCRITO NAS FRESTAS
Sou eu quem esmurra
A inocência.
Sou eu quem sangra e mente
A beleza.

*

O TEMPO DESDITO.
Os fracassos e os girassóis que eu nunca tive
Eu os pinto diante do rio, são minhas preces ribeirinhas.
As tardes de chuva, eu as inventarei.
- eu invento memórias pra que a dor esqueça de mim -

*
REFEITO, O TEMPO.
Sob o sol pálido
O homem de palha
Rumina a solidão
Pra ser feliz

*
O TEMPO RISÍVEL
Eu faço poesia pra sangrar imagens.
Eu gesticulo sons que ninguém percebe.
Eu te amo, mas não sei dizer.
Eu te destruo, e o faço sem querer.

2 comentários:

tb disse...

Muito belo...
abraço
teresa

mitro disse...

O TEMPO é uma coisa tramada!
Mas o seu TEMPO RISÍVEL soa bem...