sábado, 22 de outubro de 2011

o filho que nascerei
há muito repousa no rosto dos meus mortos
castanhos, olhos castanhos
e um sorriso que entardece primaveras

Um comentário:

Lai disse...

são poemas curtinhos mas de vasta profundidade.