quinta-feira, 1 de janeiro de 2009


- estás distante ou há céu demais entre nós dois?
- apenas amo-te, desesperadamente.
- por que escondes, então?
- o tempo nos conduz ao fim, não vês?
- o que vejo são estrelas cadentes pedindo pra serem sonhadas.
- minhas pálpebras selaram a noite por dentro, como sonhar?
- vem, deita em meus ombros.
- há silêncio aqui.
- e não é o silêncio,paridor de horizontes?



imagem de ramón hidalgo

4 comentários:

Juan disse...

Esse diálogo que se desenrola fora de um tempo cronológio e um pouco sem nexo é o meu preferido :)

É um belo texto, gostei bastante do seu Blog, parabéns! =)

Feliz ano novo.

Eternilles disse...

Que lindo! Não tenho mais palavras...foi-se vocabulário!

Ana M disse...

eu estou pensando numa coisa: o silêncio é o paridor de horizontes ou paridor de horizontes é como a pessoa que fala em marrom (desde criança acho que marron se escreve com n, fiquei tão satisfeita qdo estudei francês) chama a pessoa que fala no tom mais claro? pq uma vírgula faz toda uma diferença e pode mudar tudo. pode mudar tudo.

estou faladeira hj.
bisou.

Rubens da Cunha disse...

diálogos intensos, enigmáticos, assim como toda a tua escrita.